Coluna do Wotzik

Como vamos explicar ao pessoal que vem ao Rio ano que vem,
que vivemos atrás das grades,
que a maconha, o aborto ainda estão sendo discutidos,
que ainda há dúvida se a escolha sexual e a cor de pele quantifica a qualidade do sujeito,
que o estado determina o que é e como é uma família,
e que o Metrô está chegando em Ipanema?


EW-horz

Depois que morre,
como é que faz pra tomar um sundae do Cirandinha,
Um sorvete de menta com flocos do Itália,
Um paillard com fetuccine do Gula Gula,
Um Osvaldo Aranha do Braseiro da Gávea,
O croquete de carne da Casa do Alemão.
Como é que faz?
Pra comer uma caixa de Bis,
Um pedaço de pizza fria de padaria de esquina,
Milk shake de Ovomaltine do Bob´s,
Um pãozinho francês quentinho,
Um na chapa, uma canoa com manteiga lá na Rio Lisboa.
Como é que faz? Quando eu morrer?
Rola um café com leite?
Um chocolate da Kopenhagen,
Uma água de coco do natural,
Biscoito Globo com mate/limão de bujão,
Dá pra roer unha?
Quando eu morrer vou ter que voltar.
Pra tomar banho quentinho.
Comer pipoca no cinema.
Um prensado do Renan.
Um açaí da Vila Kennedy.
Por um pastel de feira.
Um cuzcuz de rua.
Um sanduíche do Cervantes.
Quando eu morrer,
me enterre com um joelho da Padaria Ipanema,
Lajotinha deixe uma em cada bolso por via das dúvidas.
Talvez Deus escreva certo mesmo por linhas tortas,
e me tenha reservado belas surpresas para a sobremesa,
e eu encontre por lá o Chaika,
o sanduíche do Gordon,
o rodizio do Porcão,
o tchátchátchá das Casas da Banha,
O PT de raiz,
os pasteizinhos de forno da minha mãe,
e o bolo de mel da minha avó…


O brasileiro é mesmo muito bonzinho.
Se tivéssemos demitido o Lula com um mês de governo,quando ele não fez NADA do que prometeu que faria, teríamos economizado 16 anos de história e existências.

Deixe uma resposta