Alter do Chão: o paraíso amazônico que você precisa conhecer

maxresdefault

Uma pequena vila em Santarém, no oeste do Pará, guarda uma riqueza cultural imensurável: o Çairé (com Ç ou S). A festa que mistura religião e cultura é realizada há mais de 300 anos em Alter do Chão. A manifestação é considerada a mais antiga que se tem registro na Amazônia e este ano acontece de 17 a 21 de setembro.

Alter do Chão - Cristiano Santa Cruz

Considerada a mais antiga manifestação da cultura popular do Baixo Amazonas, a Festa do Çairé iniciou oficialmente na manhã desta quinta-feira, 11, com o ritual do Levantamento dos Mastros. Até o dia 15 de setembro, mais de 100 visitantes devem passar pela vila balneária de Alter do Chão, a 30 quilômetros de Santarém, no oeste paraense. FOTO: RODOLFO OLIVEIRA/AG.PARÁ DATA: 11-09-2014 SANTARÉM-PARÁ

Procissão religiosa do Çairé (Foto: Rodolfo Oliveira/ Agência Pará)

Vale a pena conhecer os rituais religiosos que percorrem as ruas e o Festival dos Botos, que anima as noites, com a competição das agremiações culturais dos Botos Tucuxi e Cor de Rosa. A disputa é um espetáculo que apresenta a lenda do boto homem, que seduz a cabocla mais bonita da região.

A mais antiga manifestação cultural popular da Amazônia o Sairé, na Vila de Alter do Chão, em Santarém, no Oeste do Pará, na noite deste sábado (15)  Na foto: apresentação do Boto Cor de Rosa. FOTO:RODOLFO OLIVEIRA/ AG. PARÁ DATA: 15.09.2012 SANTARÉM-PARÁ

Apresentação do Boto Cor de Rosa (Foto: Rodolfo Oliveira/ Agência Pará)

Para quem ainda não conhece a Alter do Chão esta data é a ideal. O verão amazônico revela na frente da vila balneária uma praia paradisíaca, conhecida como “Ilha do Amor”. E não há como não se apaixonar! A travessia para o outro lado feita em pequenas canoas, por lá batizadas de “catraias”. Lembram as gôndolas venezianas, mas com o charme que só uma praia de rio pode oferecer.

Fundada em 22 de julho de 1661, Santarém é uma das cidades mais antigas da Amazônia com uma cultura muito rica. As construções seculares, a cerâmica tapajônica e o violonista e compositor Sebastião Tapajós são algumas dessas riquezas. A “Pérola do Tapajós”, como é conhecida, conta com mais de 100 quilômetros de praias de água doce. Na Vila de Alter do Chão, conhecido como o “Caribe Brasileiro”, a praia aparece apenas uma vez ao ano, quando o rio baixa. FOTO: CRISTINO MARTINS/ AG. PARÁ SANTARÉM-PARÁ

“Ilha do Amor” no período do verão (Critino Martins/ Agência Pará)

Alter do Chão - Cristiano Santa Cruz

Alter do Chão - Cristiano Santa Cruz

A água é morna e não existem ondas. Portanto, uma das pedidas é ficar de molho no Rio Tapajós, apreciando a paisagem ou o pôr do sol, que é impressionante. Para o almoço a dica é um peixe assado na brasa e temperado pelas mãos habilidosas das cozinheiras locais.

Alter do Chão é uma vila localizada a cerca de 40 km de Santarém e possui aproximadamente seis mil habitantes. Durante os dias do Festival Folclórico do Çairé, a localidade chega a receber mais de 100 mil visitantes. FOTO: RODOLFO OLIVEIRA/ AG. PARÁ DATA: 29.08.14 SANTARÉM-PARÁ

“Ilha do Amor” alagada no período do inverno/enchente (Foto: Rodolfo Oliveira/ Agência Pará)

E já que a ideia é conhecer a Amazônia, durante o dia existem passeios fluviais que oferecem ao turista uma experiência única de conhecer de perto a mata alagada ou as praias que ainda são desertas na região.

A localidade é tão bonita que já virou documentário. O diretor Cristiano Santa Cruz, gravou imagens e depoimentos e postou no Youtube. Assista!

O Brasil tem “um caribe” e só falta você vir conhecer!